sábado, 25 de março de 2017

Pensemos juntos!!

Você tem um terreno que não está utilizando e está precisando de um carro.

Você vai ao banco e explica a situação.

O banco lhe oferece dinheiro desde que você hipoteque, ou seja, dê em garantia o terreno.

Feito o negócio é assinado o contrato e o banco pode legalmente cobrar 1% ao mês de juros, ou seja 12% ao ano (artigo 161, § 1º do Código Tributário Nacional, que determina a fixação de um por cento ao mês).

O valor emprestado, fica combinado, que será pago em 12 prestações.

Caso você atrase uma prestação o banco pode exigir o terreno dado em garantia, o que ele não pode fazer é cobrar juros maiores que o combinado.

Isto é roubo!!!

O que se faz com ladrão? Se aplica a lei.

Em vez disto, caso você não pague a prestação, será considerado um mau pagador e será punido por isto.

A vítima é punida e o criminoso é elogiado por ser um bom administrador.

Assim é no Brasil

sexta-feira, 24 de março de 2017

Brasil vitima do crime de usura bancária


A usura, ou agiotagem, praticada pelos bancos, está levando o Brasil à falência. Quando se quer encontrar um culpado é aconselhável que se busque quem está levando vantagem.

O combate à corrupção esta desviando nossa atenção para os grandes responsáveis pela nossa insolvência, sem qualquer sobra de dúvidas: OS BANCOS

Acobertados pelo Banco Central e protegidos pelo Ministério da Fazenda, os lucrativos bancos brasileiros estão destruindo nosso querido Brasil.

sábado, 18 de março de 2017

O Brasil administrado como Organização

A Constituição estabelece a estrutura da Organização Brasil atribuindo ao Poder Legislativo a função de ser uma assembleia permanente constituída por representantes da população.

Feliz é a organização que pode dispor deste recurso de captação da vontade de seus membros.

No caso do Brasil, por ser uma Federação, esta representação capta a vontade das Unidades Federativas através do Senado, e a vontade dos eleitores, através da Câmara de Deputados, tendo ainda o requinte de associar as duas vontades através do Congresso Nacional, quando o tema assim o exija.

No Brasil, o Poder Executivo tem sido uma extensão do Poder Legislativo, o que prejudica o desempenho de ambos.

A “representação” implica na responsabilidade de decidir em nome dos outros, enquanto que na “execução” se assume a eficácia da própria ação, pois não basta fazer certo, mas sim fazer certo a coisa certa.

O Poder Legislativo deve agir no sentido de atender o que é assegurado pela Constituição, cabendo ao Poder Executivo viabilizar esse propósito.

O Orçamento Anual, elaborado por órgão técnico independente, deve compatibilizar as necessidades da população com os recursos disponíveis, sendo aprovado pelo Poder Judiciário.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Eleição 2018

Um pais como o Brasil é uma organização complexa, mas nem por isso deixa de ser uma Organização e, como tal, deve seguir os princípios básicos da Administração.

A organização Brasil é constituída de três segmentos: Poder Legislativo, Poder Judiciário e Poder Executivo.

Estes Poderes devem ser autônomos, o que significa dizer que devem ter liberdade para se organizarem e gerenciar os recursos que lhes cabem para exercício das funções atribuídas pela Constituição.

Cabe ao Poder Legislativo a representação da população, organizando os eleitores em Partidos Políticos representativos das ideologias mais significativas, tais como: Partido de Direita, Centro Direita, Centro, Centro Esquerda e Esquerda. Os Partidos devem ter recurso orçamentários proporcionais aos seus eleitores, com ampla liberdade de administração dos mesmos, visando incrementar sua representatividade.

Mesmo o mandato sendo por tempo determinado deve existir a possibilidade de cancelamento por rejeição significativa popular.

O Poder Judiciário para o pleno exercício de sua função deve agir sobre os demais Poderes visando o cumprimento dos dispositivos Constitucionais.

O Presidente da Republica deve ser eleito sem ter vinculação partidária, por ser inaceitável Partido de situação e de oposição. Também é inaceitável que membros do Poder Executivo tenham vinculação Partidária.

O Poder Executivo existe e deve ser dimensionado para executar o que foi definido pelo Poder Legislativo e sob fiscalização do Poder Judiciário.

domingo, 5 de março de 2017

O terrível castigo dos corruptos


O terrível castigo dos corruptos.
Carlos Reinaldo Mendes Ribeiro*

É irrelevante o fato de o sistema judiciário ser ineficaz para evitar, e punir, crimes de corrupção, pois a verdadeira punição decorre da força inexorável do pensamento coletivo.

Hoje a ciência já reconhece a importância da força mental no controle e cura de muitas doenças. Ainda que seja mais difícil estabelecer uma relação de causa e efeito no caso de doenças de pessoas com comportamento socialmente reprovado, é evidente que a força positiva pode também ser punitiva.

Essa força punitiva não é gerada pelo consciente da pessoa prejudicada, ela é inconsciente e independe da vontade de punir. Assim sendo, os corruptos geram um sentimento negativo que vai agir sobre seus organismos ocasionando doenças e impossibilitando a cura.

Não há necessidade de um processo de punição formal, pois todos que foram prejudicados por atos de corrupção geram esse sentimento punitivo inconsciente, que tem seu destino definido pelo sentimento coletivo de repulsa.

O corrupto, identificado pela repulsa, é punido por todos que foram prejudicados por seu ato de apropriação indevida de recursos que seriam destinados à combater doenças, evitar acidentes por deficiências de infra estrutura, a permitir melhor ensino e educação a, em resumo, propiciar a todos um nível de vida satisfatório.

A sabedoria popular já reconhece que aqui se paga o que aqui se faz, e as religiões consagram a punição inevitável que atinge a dimensão espiritual das pessoas, chame-se isso do nome que se queira chamar.

*Professor, sanitarista, empresário e escritor.


Reprodução autorizada, bastando identificar a fonte.